Carregando...

O Projeto

O Projeto de Pesquisa “Arte e Currículo – percursos dialógicos” é vinculado à Iniciação Científica / PIBIC (desde 2018) na Universidade do Estado do Rio de Janeiro / UERJ.

O Grupo de Pesquisa é composto por Licenciandos de Artes Visuais / PIBIC-UERJ. E também conta com a participação de mestrandos do Programa de Pós-Graduação de Ensino na Educação Básica – PPGEB/CAp-UERJ atuantes nas Rede Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro.

O tema é vinculado à Iniciação Científica Júnior (IC Jr/CAp) com o projeto de pesquisa “Identidade visual – escola, juventude e consumo” (com Aluna bolsista educação básica CAp-UERJ) ; à Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e de Inovação (PIBITI) “Nutrição visual”; e, ainda, às Atividades Extensionistas (com bolsa UERJ Aluna Graduanda Artes Visuais) “O CAp-UERJ e suas impressões visuais” – desde 2015 – que estudam os objetos estéticos (mochilas, tênis, estojos) como identitários da formação crítico-estética dos alunos da educação básica no espaço escolar CAp. 

Como foco principal, o projeto pretende enfatizar a arte nacional em conexão à cultura visual cotidiana apresentadas nos programas curriculares (desde 2010) dos livros didáticos (PNLD) assim como nas orientações de apoio aos docentes promovidas pelas Secretarias de Educação do Estado.

Merecem destaque as editoras pedagógicas que vêm submetendo exemplares/coleções ao Instituto de Aplicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro / CAp-UERJ, local onde a pesquisa ocorre, apesar da equipe de Artes Visuais e História da Arte não adotar livro pedagógico na disciplina curricular.

Estas editoras também têm seus livros pedagógicos recorrentemente adotados nas demais instituições de ensino públicas e privadas do Rio de Janeiro.

Mesmo que as coleções pedagógicas da área contemplem todas as Artes, tais como Artes Visuais, Música, Teatro e Dança, as Artes Visuais e História da Arte serão prioritariamente nosso foco de estudo por ser a disciplina de interesse principal dos docentes e discentes aqui envolvidos e atuantes em sala de aula.

A abordagem compreende a relevância da historiografia da arte nacional e da cultura visual na dinamização de percursos artísticos autorais dos docentes em consonância às narrativas do processo identitário visual da juventude no espaço escolar.

Como algumas hipóteses que balizam a pesquisa, podemos enumerar:

  • As linguagens visuais nacionais são proeminentes no ensino das Artes como referências estéticas culturais? Na mesma medida que a arte internacional?
  • Há alguma recorrência entre a historiografia da arte nacional e a cultura visual cotidiana, ou seja, entre as alegorias estéticas e as manifestações artísticas da atualidade?
  • Os eixos temáticos incentivam o professor a dinamizá-los frente às suas próprias ideias e reflexões estéticas?
  • As diversas realidades culturais dos alunos são consideradas no diálogo com a experienciação poética em sala de aula?
  • A Arte é disciplina integrante de planos inter e multidisciplinares? Todas as Artes (Artes Visuais, Música, Teatro e Dança) são integradas nos programas curriculares de modo que o professor seja efetivamente um balizador concomitante?
  • E a arte da contemporaneidade, é repercutida em consonância com a historiografia da arte?

Enquanto resultados preliminares, constatamos que os livros didáticos de Artes contemplam as diferentes linguagens artísticas com propostas multidisciplinares e com metodologias dinamizadas.

A organização de certo modo rizomática, quer dizer, com grande diversidade de conteúdos interligados e decorrentes processos artísticos nos chama a atenção. Alguns livros trazem um CD-ROM e, ainda na capa, disponibilizam um código de acesso à demais conteúdos pedagógicos em seus respectivos sites.

Cada volume de uma determinada coleção de um dos livros didáticos em estudo corresponde a um ano de escolaridade, isto é, são adequados as diferentes faixas etárias e divididos por temáticas, tais como brincadeira; identidade; ambiente; comunicação; espaço; corpo; movimento; tempo; tempo das tecnologias, cultura visual; sistemas de gravação de áudios e vídeos; diversidade; sexualidade; educação inclusiva etc.

Às referências a Base Nacional Comum Curricular / BNCC (2018) são notadamente recursivas em todas as coleções / editoras.

Também há destaque para indicações bibliográficas mencionadas com frequência no decorrer dos livros didáticos, apesar de recursivas.

Os diversos procedimentos de avaliação indicados nas coleções são apresentados em muitos formatos, tais como: dinâmica, diário, portfólio, processual.

Quanto aos conteúdos relacionados à arte nacional/brasileira é quantitativamente pouco reentrante nos programas curriculares. A abordagem qualitativa também acompanha a anterior, haja vista os mesmos artistas e estilos estéticos serem apresentados nas coleções pesquisadas. A historiografia da arte internacional, prioritariamente europeia, de fato, tende a ser predominante nos livros.

Em geral, a cultura visual do cotidiano e as particularidades regionais brasileiras são pouco mencionadas e relacionadas à arte internacional.

O Projeto de Pesquisa segue com renovação aprovada pela Universidade até o ano de 2022. E outros novos encaminhamentos estão por vir.

A inspiração para a criação da logomarca NV / NutriçãoVisual foi a obra abaixo localizada no pátio externo do Museu de Arte do Rio/MAR.

Obra sem título. Amílcar de Castro (MG, 1920-2002).