Carregando...
História da Arte

ALMEIDA JÚNIOR

por Vicente Rocha.

Figura 1: Registro fotográfico do artista.

José Ferraz de Almeida, mais conhecido como Almeida Júnior, nasceu no dia 08 de maio de 1850, na cidade de Itu, interior do estado de São Paulo. Artista Plástico renomado, possui uma estética particular e se tornou um dos mais conhecidos artistas nacionais da História da Arte. O artista falece em 1899 deixando um legado de múltiplas camadas artísticas, o qual podemos explorar de diferentes perspectivas, atualizando sua leitura com o passar dos anos. Até hoje comemora -se no dia 08 de maio como “O dia do artista plástico”, em sua homenagem.

Breve biografia artística

Com uma formação clássica e acadêmica, estudou na Academia Imperial de Belas Artes (AIBA). Ainda cedo, já demonstrava interesse e aptidão para a pintura, recebendo incentivo do padre Miguel Correia Pacheco, o mesmo responsável em auxiliá-lo, em 1869, a mudança do jovem artista para a cidade do Rio, onde estudaria na AIBA.

Durante sua formação, recebeu condecorações da instituição, sendo sua primeira medalha de ouro conquistada pela sua obra “A ressurreição” (Fig. 2), na Exposição Geral de Belas Artes, no ano de 1874. Após o fim da graduação, em 1875, retorna para a sua cidade natal, onde funda seu ateliê para oferecer aulas de pintura e desenho. Em 1876, através de uma viagem pelo interior de São Paulo, o então imperador, D. Pedro II, reconhece o talento do artista e o indica a uma bolsa de estudos em Paris. No ano seguinte, o artista inicia sua formação na renomada Ecole National Supérieure des Beaux-Arts, ratificando seu conhecimento já aprendido na AIBA, e, principalmente, ampliando seus horizontes artísticos, o que o levaria a estabelecer seu legado em terras internacionais.

Figura 2: “A Ressureição”, 1874.

Entre os anos de 1879 e 1882, chegou a participar de quatro edições do salão de Paris, e nesse período produziu telas aclamadas, como “O remorso de Judas”, 1880 (Fig. 3); “A fuga do Egito”, 1880 (Fig. 4) e “Derrubador brasileiro”, 1875 (Fig. 5). Após sua volta ao Brasil, em 1882, expõe na Academia Imperial de Belas Artes, o que o leva a se tornar ainda mais conhecido na arte pictórica. Após quatro anos trabalhando em seu ateliê, o artista recebe o convite de um antigo professor que lhe dera aula na AIBA, Victor Meirelles, para ocupar a sua vaga de professor de pintura histórica. Mesmo com a importante oferta acadêmica, Almeida Júnior prefere continuar produzindo em seu ateliê, contribuindo para a formação de novos artistas nacionais.

Figura 3: “O remorso de Judas”, 1880.
Figura 4: “A fuga do Egito”, 1880.
Figura 5: “Derrubador brasileiro”, 1875 .

Estética e legado

Almeida Júnior fora rotulado de “artista nacional” por, usualmente, retratar os costumes e hábitos tipicamente brasileiros. Porém, o artista foi muito além disso já que preferiu dedicar sua pesquisa e produção aos temas regionalistas. Deste modo, Almeida Júnior conseguiu transpor elementos do caipirismo brasileiro de forma sensível, sem transformá-los em algo pitoresco e de cunho eurocêntrico.

Como o artista havia nascido e crescido no interior, tal fato o levou a demonstrar em suas telas toda a calmaria, melancolia e essência da vida interiorana. E um dos aspectos mais importantes que devem ser destacados em sua obra é o uso maestral da luminosidade em seus quadros: revelam um grande teor de liberdade e, ao mesmo tempo, de leveza. Essa temática mais regionalista pode ser comprovada principalmente na última década de sua vida, com obras como “Caipira picando fumo”, 1893 (Fig. 6); “Amolação interrompida”, 1894 (Fig. 7); “Apertando o lombilho”, 1895 (Fig. 8) e “Violeiro”, 1899 (Fig. 9).

Figura 6: “Caipira picando fumo”, 1893.
Figura 7: “Amolação interrompida”, 1894 .
Figura 8: “Apertando o lombilho”, 1895.
Figura 9: “Violeiro”, 1899.

Almeida Júnior repaginou o pensamento artístico-nacional da época ao dedicar-se à uma vida em busca de reapresentações da identidade nacional – o que o levou ao reconhecimento na História da Arte e no mercado das Artes Visuais – levando o Brasil para todo o mundo.

Referências bibliográficas:

ROSA, N. S. S. José Ferraz de Almeida Júnior. São Paulo, Moderna, 1999. Coleção Mestres das Artes no Brasil.  

https://www.escritoriodearte.com/artista/almeida-junior Acesso em: 15/09/2020.

http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa18736/almeida-junior Acesso em: 15/09/2020.

https://www.ebiografia.com/almeida_junior/ Acesso em 15/09/2020.

https://www.guiadasartes.com.br/jose-ferraz-de-almeida-junior/obras-e-biografia Acesso em: 15/2020.